domingo, 26 de setembro de 2010

O efeito da agricultura biológica nas Mudanças Climáticas

O efeito da agricultura biológica nas Mudanças Climáticas




Com o nosso modo de vida actual, pensar impedir a mudança do clima para um cenário devastador é quase impossível ou no minimo muito pouco realista.  Segundo relatos, 'Trezentas peças de cinquenta por milhão (350 ppm) é o limite recomendado de segurança para o dióxido de carbono na nossa atmosfera. Hoje, a 386 ppm, estamos bastante acima do limite. Esta é a razão pela qual até hoje, por exemplo, a já metade de Metro de Manila, uma cidade que acreditava ser impossível afundar, começaram a ficar submersos. Esta é também a razão das tempestades e intempéries (desde o excesso, escassez ou irregularidade de chuvas, calor, ventos, etc) que vêem devastando as explorações agrícolas no mundo inteiro, resultando em escassez de alimentos nalgumas regiões do planeta, avultados prejuízos, ou especulações de mercado noutros e no final, a sempre presente, quebra continua de qualidade dos produtos alimentares.

Isto no contexto da produção agricola, porque os problemas, estragos e prejuízos são muito mais vastos e transversais a muitos sectores e também factores, incluindo a crescente perda de vidas humanas (e muitas outras espécies vivas) com calamidades naturais.



 "Para evitar mais caos climático, com todas as inevitáveis perdas e possíveis mudanças drásticas anunciadas para a ordem de muitas coisas como as conhecemos, devemos implantar a tecnologia mais criativa e inovadora que esteja actualmente à disposição no planeta, para rapidamente retirar o dióxido de carbono da atmosfera.
 Se, no entanto, mudarmos o nosso estilo de vida, ainda pode haver alguma esperança. Uma maneira é através da agricultura respeitadora do ambiente. Tanto quanto possível, precisamos retirar mais carbono da atmosfera.  "A agricultura biológica poderia puxar quarenta por cento das emissões globais de nossa atmosfera a cada ano e 40% é uma grande ajuda no nosso ambiente. Os agricultores que estão construindo carbono orgânico a partir do solo (vulgo plantas) podem remover dióxido de carbono da atmosfera a taxas de 2 toneladas de CO2 por hectare."

Ao praticar uma agricultura sustentável, orgânica ou biodinâmica, podemos nutrir continuamente os nossos solos, com técnicas criativas, como rotação de culturas, cobertura de cultivo, fertilizantes orgânicos e imitar os métodos inovadores, mas suaves e regeneradores da Natureza. Ao contrário da agricultura convencional, onde empresas de produtos químicos queimam combustíveis fósseis para a produção de fertilizantes sintéticos, que por sua vez vão para o ar e consecutivamente perturbar ainda mais o nosso ambiente e clima.

" Segundo a Organic Farming poderíamos parar as alterações climáticas globais ". Os verdadeiros agricultores biológicos ajudam a construir solos verdadeiros, de estrutura natural, equilibrada e saudável. E solos bem tratados têm uma muito superior capacidade de reter mais carbono e segurar mais água. Solos naturais e saudáveis têm melhor desempenho, quer seja em situações de muito secas ou muito húmidas condições meteorológicas. Com boa terra, vamos construir uma Terra melhor, resiliente ao clima muito incerto que nos aguarda. E isso significa também alimentos mais saudáveis para o nosso mundo em crescimento ".

Ao invés de penalizados com taxas, fiscalizações e custos burocráticos acrescidos (que a agricultura "tóxica" não tem) que só encarecem o valor final dos produtos para o publico, os agricultores biológicos deveriam ser apoiados e incentivados a intensificarem as práticas culturais de fixação de carbono (incluindo nisto a gestão florestal sustentável, também de muito grande importância).

Seria melhor para nós, afim de tirar proveito da situação, enquanto o efeito ainda não se tenha instalado irreversivelmente . A mudança deve ser a nossa principal prioridade, se o que quisemos fazer seja manter o nosso futuro, conservar e conseguir um lugar melhor para os nossos filhos para viverem.  Se não, então tudo aquilo que defendemos, tudo o que nos é caro, e tudo que nós construímos e conquistámos será sentido e em grande parte perdido nos próximos anos.
 
Podemos pelo menos formar opinião, consciência e exigir que nos protejam, á nossa saúde, do nosso planeta, e o futuro das gerações vindouras.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Contribuidores