segunda-feira, 27 de setembro de 2010

O principiante da horta-urbana

Horticultura Urbana


A horticultura urbana pode parecer uma tarefa monumental, mas pode ser um esforço bem sucedido e sobretudo bem recompensado na qualidade dos alimentos produzidos e também em alguma poupança no orçamento doméstico.

A agricultura urbana pode ser tão simples como ter um único tomateiro ou tão grande como o quintal inteiro. Alguns elementos-chave podem ajudar os iniciados como e por onde começar e como evoluem no aproveitamento de espaço para um objectivo produtivo da auto-suficiência. Esse movimento está a espalhar-se pelo mundo como um meio de economizar dinheiro e alimentar de forma mais saudável.

Horta Urbana-Que dimensão para começar?

O agricultor iniciado deve começar em pequeno, na sua própria varanda, quintal, marquise ou janelas. Aquele que tem alguma experiência de jardinagem poderá ser  mais  arrojado. A melhor maneira de começar esta empresa será em começar um planeamento. O agricultor urbano começa a planear a horta durante a época entre estações de cultura, quando o clima não é propício para adequar as condições de cultivo,  como seja, o que plantar e onde plantar dentro do ambiente urbano. O iniciado faria bem em começar com apenas três a cinco plantas da mesma espécie e na temporada seguinte adicionar  outras variedades e consequentemente, aumentando a área utilizada até que uma verdadeira horta produtiva possa ser estabelecida.

Com o aumento do conhecimento e segurança das principais técnicas e culturas de horticolas em geral, deve-se planear plantar mais variedades, assim como aumentar o número de plantas cultivadas. Mesmo com um vasto conhecimento de horticultura deve começar pequeno, porque o ambiente de horticultura urbana é geralmente diferente de outros ambientes mais adequados para a actividade. Isso não quer dizer que o cultivo de uma horta na cidade é difícil, mas tem desafios únicos, especialmente a falta de espaço.


Horta urbana- lidar com os desafios
Os desafios da horticultura urbana incluem a falta de espaço, condições de luz do sol, e a vida selvagem urbana. Vários métodos são usados para combater a falta de espaço. Estes métodos incluem crescimento vertical, utilizando canteiros, bem como o método de jardinagem em cama profunda. Muitas plantas que trepam, podem ser cultivadas verticalmente com êxito aproveitando as grades de varandas ou até estruturas simples de apoio na parede. Ervilhas, feijão, pepino, melão são exemplos de plantas a aproveitar o uso vertical para proporcionar mais espaço de terra para o plantio de outras variedades de legumes e frutas mais rasteiros.
Na verdade, as ervilhas e feijões necessitam de espaço vertical para maior desenvolvimento. Neste contexto e sendo cultivo de sementeira directa, deverá ser pensado o espaço tendo em conta estas caracteristicas. Plantas com menor crescimento são cultivadas para o sol, nas linhas da frente, e sucessivamente mais altas mais para trás num método de plantação em fileiras, para que cada planta possa receber a luz solar adequada. Isso geralmente é feito com as plantas mais altas encostadas ás paredes.


As camas levantadas podem ser uma utilização eficiente do espaço quando este é limitado para começar. Mais plantas podem ser cultivadas por metro quadrado numa cama levantada do que quando cultivadas recorrendo ao sistema de linha tradicional.
Condições de luz solar podem também ser um factor de desafio para horticultura urbana. A falta de luz solar pode levar as plantas a produzir menos quantidade, assim como afectar a sua saúde. Demasiada exposição solar pode queimar as plantas e matá-las.

Falta de luz solar pode ser compensada pela escolha das janelas ou varandas mais adequadas, ou colocando superfícies reflexivas no caso de quintais muito escondidos. Pintar uma parede ou muro em branco, por exemplo, pode melhorar as condições de luz solar adequada.


Muito sol,  pode ser compensado pela rega extra ou proporcionando sombra durante o período de luz solar mais intenso. Com postes e um lençol de algodão transparente pode fazer maravilhas para melhorar as condições para um exposição adequada ao sol. No caso de varandas ou marquises, pode ter sombra recorrendo a vasos grandes com árvores como pessegueiros, romãs, macieiras, etc, contando que percam a folha no inverno, quando será necessário optimizar a luz. Assim, além da horta passa a ter também um pomar.

A vida selvagem urbana pode ser um problema para muitos horticultores urbanos, uma vez que ao contrario do campo, o ecossistema artificial não dispõe de muitas espécies de animais selvagens que são auxiliares por consumirem insectos e auxiliarem o agricultor.
No entanto, muitos métodos existem para combater insectos e bichos que podem causar estragos num jardim de outra forma produtiva. O mais amplamente eficaz dissuasor de pragas e também mais fácil para um agricultor orgânico urbano, é um simples pulverizador de controle de pragas, com um preparado incluindo pimenta, sabão azul e branco e água. Em quintais, os métodos de barreira, como pedras ou bambu ou com fio de aves podem fazer muito para manter os roedores tais como ratos e coelhos fora do jardim. Algum espantalho criativo sobre as árvores de fruto, vinhas, e os arbustos podem controlar os danos dos pássaros de fruta.

No entanto e relativo a este ponto, existem também na cidade, de igual modo, muitas outras espécies de insectos e aves que são benéficos e normalmente designados como auxiliares, exactamente porque se alimentam ou afugentam, daqueles outros que são indesejados. Para isso também existem várias técnicas e formas de atrair estes simpáticos e altruistas ajudantes (Joaninhas, louva a deus, corujas, pequenas aves insectívoras e repteis em geral  que são grandes consumidores de insectos e ratos).


Brevemente faremos um artigo com indicação destas espécies auxiliares.

A horticultura urbana pode ser uma empreitada muito lucrativa e não só pelas colheitas mas por todo o processo como actividade em si, pois é altamente terapêutico, pedagógico e interessante. Verá quando começar a interligação dos vários fenómenos. Tudo esta ligado e em estreita relação. Compreender e superar os desafios podem dar óptimos resultados em direcção ao sucesso final. Começar pequeno é crucial para aqueles que desejam começar um jardim urbano. Como referido

 (Adaptado do texto de Elizabeth Rose 30 de Junho de 2010)

Mãos à obra e se tiver dúvidas, achar que não consegue, ou não tem tempo, mas quer muito ter na mesma, contacte-nos. Essa é a nossa missão e profissão.... 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Contribuidores